Santuário Nossa Senhora Aparecida

Evangelizando e Perseverando na Fé

Ecclesia Trinitate – Igreja da Trindade

“A Igreja da Trindade (Ecclesia de Trinitate) não só expressa a origem da Igreja a partir da Trindade, senão que indica também a continua participação da Igreja no mistério da vida da Trindade.”

Para perscrutar o mistério da Igreja, é conveniente meditar primeiro sobre a sua origem no desígnio da Santíssima Trindade e sobre a sua progressiva realização na história.”

“«O eterno Pai, que pelo libérrimo e insondável desígnio da sua sabedoria e bondade, criou o universo, decidiu elevar os homens participação da vida divina», para a qual a todos convida em seu Filho: «E, aos que crêem em Cristo, decidiu convocá-los na santa Igreja». Esta «família de Deus» constituiu-se e realizou-se gradualmente ao longo das etapas da história humana, segundo as disposições do Pai: de facto, a Igreja «prefigurada já desde o princípio do mundo e admiravelmente preparada na história do povo de Israel e na antiga Aliança, foi constituída no fim dos tempos, e manifestada pela efusão do Espírito Santo, e será gloriosamente consumada no fim dos séculos (CIC 759).”

“Já apontamos aqui que Deus Pai tem a iniciativa da Igreja, pois tem criado o mundo para salvar-nos em Cristo e, portanto, por meio da Igreja. Nenhum cristão julga que o concílio Vaticano II tenha inventado o Mistério da Santíssima Trindade e muito menos alterado esse mistério tão rico, profundo e importante da doutrina da Igreja, presente desde os primórdios. O concílio de modo algum poderia acrescentar ou diminuir algum dos preciosos predicados da Trindade. O mistério da Santíssima Trindade é, de alguma maneira, insondável e permanecerá imutável por todos os séculos. Deus é imutável. É consenso entre os teólogos, porém, que o concilio Vaticano II trouxe o Mistério da Santíssima Trindade para o centro das atenções: “centro na vida de cada fiel, batizado em nome do Pai, e do filho e do Espírito Santo; centro da liturgia, garantindo que toda ela se dirige ao Pai, pelo filho no Espírito Santo; centro da teologia, com destaque em todos os seus tratados; e acima de tudo, centro da Igreja que, a partir dele, passou a ser chamada Igreja da SS. Trindade”[1].

Mas antes do Concílio Vaticano II, o Mistério da Trindade parecia de fato insondável, impenetrável, como se permanecesse, como a palavra mesmo diz, um “mistério”, um segredo ininteligível, inatingível, incapaz do ser humano poder entender, adentrar e mergulhar. Não poderíamos falar desse mistério, não nos era dado desvendá-lo nem entender sua profundidade. Após o concílio não só afloraram obras sobre cada uma das pessoas divinas, como também tratados sobre a presença trinitária na vida cristã e no mundo. E por isso também a relação da Trindade com o mistério da Igreja.

O teólogo canonista Dom Dadeus Grings, hoje arcebispo emérito da Arquidiocese de Porto Alegre, escrevia assim em uma de suas inúmeras cartilhas pastorais, falando sobre os desafios do concílio Vaticano II: “A Trindade tornou-se, por assim dizer, acessível e íntima de cada fiel. O concílio indubitavelmente a trouxe para o centro da vida e das considerações cristãs. Algo semelhante aconteceu com a Igreja. Mas com algumas diferenças marcantes. O concílio Vaticano II pode ser definido como concílio não só da Igreja, mas também sobre a Igreja. Não só a tirou dos tratados da teologia fundamental, como sociedade perfeita e embasamento da teologia dogmática, mas a passou decididamente para a própria teologia dogmática, como mistério de salvação. Não só limitou a estudar mais a fundo a natureza da Igreja como tal, mas também trabalhou para sua reforma. Ou melhor, dentro da atual técnica da renovação, na Igreja não se efetua propriamente uma reforma como um restauro, o que equivale a torná-la como realmente é e era. O Papa João XXIII, ao convocar o Concílio, falava de uma atualização, ou melhor ainda, de uma ventilação que dispersasse o mofo acumulado ao longo dos séculos”[2].

A Igreja procede da Santíssima Trindade enquanto tem nascido da mesma comunhão do Deus Trino que tem querido estender sua comunhão com os homens. “A Igreja tem nascido do amor do Pai eterno, tem sido fundada no tempo pelo Filho e é vivificada continuamente pelo Espírito”[3]. A maior parte dos tratados clássicos da Igreja não sublinhavam essa conexão com a Trindade, que aparecia na maioria dos casos como uma realidade inatingível e insondável, quando na realidade a salvação cristã nasce dela e culmina nela. A Igreja da Trindade (Ecclesia de Trinitate) não só expressa a origem da Igreja a partir da Trindade, senão que indica também a continua participação da Igreja no mistério da vida da Trindade. A Igreja é ícone da Trindade, como afirmam alguns teólogos[4], no sentido que é uma imagem que participa na vida trinitária que dela vive. “A Igreja é a presença viva da Trindade no tempo pela missão do Filho e do Espírito Santo. Por isso, a unidade das pessoas divinas é para a Igreja a origem, o modelo e o fim de sua existência”[5].”

[1] GRINGS, Dadeus. Os desafios do Concílio Vaticano II – Cartilha da Fé Conciliar. Editora Pe. Réus, 2013, Porto Alegre, p.35.

[2] Idem, p.35-36.

[3] SAYÉS, José Antonio. La Iglesia de Cristo, Curso de Eclesiologia, Editora Pelicano, Madrid, 1999, p. 19.

[4] B. FORTE, La Iglesia de la Trinidad, 51ss.

[5] SAYÉS, José Antonio. La Iglesia de Cristo, Curso de Eclesiologia, Editora Pelicano, Madrid, 1999, p. 20.

Fonte: www.vaticannews.va/pt/vaticano/news/2022-09/ecclesia-trinitate-igreja-da-trindade-padre-gerson-schmidt.html

Gostou do conteúdo? Compartilhe!