Santuário Nossa Senhora Aparecida

Evangelizando e Perseverando na Fé

A Irmã Marie-Ange, uma freira com síndrome de Down: a alegria de seguir e amar Cristo

Um retrato da Irmã Marie-Ange, uma freira com síndrome de Down, que foi chamada de volta a casa de Deus aos 53 anos de idade, após ter passado 33 anos num humilde mosteiro

A Irmã Marie-Ange viveu a sua vida religiosa na comunidade das Pequenas Discípulas do Cordeiro. Uma comunidade fundada em 1985, única no mundo, que acolhe religiosas com síndrome de Down para que possam viver a sua vocação contemplativa. Em um livro (Choisie pour l’éternité! Marie-Ange et les petites sœurs Disciples de l’Agneau, ed. Artège), Raphaëlle Simon pinta um retrato luminoso da religiosa.

Marie-Ange nasceu em 1967, numa altura em que a síndrome de Down era apenas conhecida, experimentada como um defeito, até mesmo uma vergonha, e sem qualquer apoio da sociedade. Providencialmente, ela juntou-se à comunidade das Pequenas Discípulas do Cordeiro no seu início em 1987. Permaneceu ali até à sua morte em 2020, no final de uma vida consagrada que deixou uma impressão duradoura nas pessoas à sua volta.

As Irmãzinhas lembram-se da simplicidade, doçura e alegria de viver de Marie-Ange, e das suas “boas palavras” inspiradas pelo Espírito Santo, tais como “Viver em paz” ou “Sou uma freira para a eternidade”. Elas gostam de recordar os bons momentos que passaram juntas, e os hábitos de Marie-Ange, tais como copiar à mão seções inteiras dos Evangelhos, uma forma dela imergir na Palavra de Deus.

Vocação

Se Marie-Ange conseguiu viver a sua vocação em boas condições materiais, espirituais e fraternas, foi graças a um ambiente pioneiro, defendido pelo Papa João Paulo II na sua encíclica Evangelium Vitae, publicada em 1995. Nela, o Papa afirma o valor e inviolabilidade de cada vida humana, inscrita desde a sua origem no “plano de Deus”.

A comunidade de Marie-Ange foi benevolente, mas também corajosa e até pioneira. Profundamente cristã, a sua família foi no entanto abalada pelo anúncio da síndrome de Down da sua filha mais nova, e durante algum tempo retirou-se para dentro de si mesma.

Os pais de Marie-Ange foram felizmente postos em contato com o Professor Jérôme Lejeune, que foi capaz de responder às suas ansiedades e devolver-lhes a esperança, em particular através desta feliz profecia: “Ela saberá amar melhor do que nós”.

Eles compreenderam que a sua filha não tinha “algo menos”, mas “um talento próprio, uma nota única para tocar na partitura da vida”. A provação não é menos pesada, mas é agora transfigurada por uma esperança cristã, que eles sabem que nunca desaponta.

Uma comunidade especial

A Madre Line, fundadora e superiora da comunidade das Pequenas Discípulas do Cordeiro, soube, como uma pioneira, deixar-se guiar pelo Espírito Santo quando viu uma necessidade.

Em 1984, Line Rondelot conheceu uma jovem com síndrome de Down, Véronique, que tinha tentado entrar numa ordem religiosa para viver a sua vocação, mas sem sucesso. Line percebeu nela um autêntico apelo à vida religiosa. Sentiu-se chamada a cumprir a sua vocação ao serviço das “pequenas, das humildes”, dando às pessoas com síndrome de Down o lugar que lhes compete numa comunidade especial.

De fato, a Line Rondelot chegou ao ponto de propor ao Vaticano uma regra de vida comunitária adaptada aos portadores de síndrome de Down.

Finalmente, não esqueçamos uma das personalidades mais discretas, mas sem a qual a comunidade poderia nunca ter surgido: o Padre Henri Bissonnier (1911-2004), investigador e professor de psicopedagogia, que ao longo da sua vida testemunhou que as pessoas com deficiência mental são “capazes de relações, progresso, autonomia, inteligência de coração e uma vida espiritual”. Ele disse alto e bom som: “No campo da vida espiritual, a noção de deficiência não tem lugar”.

Agora que Marie-Ange foi para o Céu, as Irmãzinhas rezam à sua irmã para interceder por vocações religiosas de novas religiosas, a fim de perpetuar a comunidade.

Uma lição para o nosso tempo

O termo “belo” nunca é usado na nossa sociedade para uma pessoa com síndrome de Down. No entanto, ao ler a vida da Irmã Marie-Ange, é o que vem rapidamente à mente: ela é “toda bela”, por dentro e por fora. Viveu a sua santidade na alegria de ter seguido e amado Cristo, e, por assim dizer, transfigurou em Cristo as marcas da sua deficiência.

Sim, Deus ama os deficientes e todos que têm limitações graves, liberta-os pelo poder do seu amor, e convida-os à santidade tanto quanto as pessoas capazes. “O que o homem vê não é o que importa: o homem vê a face, mas o Senhor olha o coração” (1 Samuel 16, 7).

O testemunho luminoso da Irmã Marie-Ange convida-nos a resistir à violência do nosso tempo, que continua a negar às pessoas com síndrome de Down o direito de viver, ou mesmo “o direito de ser pessoa”, segundo a bela expressão da filósofa Jeanne Hersch.

O exemplo da Pequena Irmã Marie-Ange e da sua comunidade lembra-nos, pelo contrário, o mistério insondável de Deus, cuja preferência é pelos “muito simples”. Como diz a Bíblia: “Quem for simples apresente-se!” (Provérbios 9, 4) ou “Eu te bendigo, Pai, Senhor do céu e da terra, porque escondeste estas coisas aos sábios e entendidos e as revelaste aos pequenos” (Mateus 11, 25).

Fonte: pt.aleteia.org

Gostou do conteúdo? Compartilhe!